9 de fevereiro de 2017

Revolução sem compromisso

Antes de Marx, havia Auguste Blanqui.

Doug Enaa Greene

Jacobin

Jules Dalou, Auguste Blanqui deitado em sua sepultura (1885), Père-Lachaise (divisão 91) em Paris.

Karl Marx creditou Louis-Auguste Blanqui como "o cérebro e a inspiração do partido proletário na França". Embora esquecido atualmente, os revolucionários de todo o mundo já viam este prisioneiro político francês do século XIX como um herói do socialismo revolucionário. Neste tempo de tanto retrocesso político e compromisso, vale a pena olhar para a vida de Blanqui.

Ao longo de cinquenta anos, Blanqui inspirou os radicais franceses com seus discursos e escritos. Quando não estava na prisão, lançou meia dúzia de insurreições e ficou na linha de frente de batalhas campais entre o Estado e os revolucionários. Ele dedicou sua vida para derrubar o capitalismo e inaugurar a república socialista. Hoje, diante de um regime neoliberal cada vez mais brutal, a esquerda deve inspirar-se no firme compromisso de Blanqui com a transformação social.

Agitação política precoce

A família de Auguste Blanqui já havia vivenciado sua parcela de turbulência política antes dele nascer em 1º de fevereiro de 1805. Seu pai Jean Dominique, um ex girondino, sofreu durante o Reino do Terror, mas tornou-se um prefeito napoleônico. Sua amorosa mãe Sophie era devotada a seu filho.

A estabilidade da família terminou abruptamente em 1815 com o derrube do Primeiro Império Francês. Ver soldados estrangeiros em sua casa acendeu o nacionalismo impetuoso de Auguste.

Apesar da mudança de sua fortuna, os Blanquis ainda tinham dinheiro suficiente para enviar Auguste e seu irmão mais velho Jérôme-Adolphe - mais tarde um famoso economista - para as melhores escolas de Paris. Ao estudar direito e medicina, Auguste testemunhou a execução pública de quatro membros do Carbonari, o movimento subterrâneo anti-Bourbon. Observando-os no cadafalso, Blanqui aprendeu a odiar uma sociedade que mataria quatro homens bons para proteger os privilegiados. Ele jurou sua fidelidade à causa revolucionária, então e depois - um juramento que ele nunca iria quebrar.

Auguste juntou-se ao Carbonari enquanto continuava seus estudos, mas ele se cansou do grupo e se tornou um organizador de estudantes. O underground não pagava, então ele suplementou sua renda trabalhando como tutor.

Em 1825, apaixonou-se perdidamente por Amélie-Suzanne Serre, uma talentosa pintora. Sua família conservadora de classe média desaprovava o jovem radical, mas, em 1834, eles se casaram assim mesmo. Os dois permaneceram absolutamente dedicados um ao outro até a morte de Amélie-Suzanne em 1841.

Entre 1827 e 1830, Blanqui se tornou um revolucionário comprometido. Trabalhando principalmente como jornalista, ficou consternado ao descobrir que muitos de seus colegas não conseguiam traduzir suas palavras republicanas em ação. Blanqui começou a ver que seria necessário forçar a expulsão da monarquia.

Em 1827, manifestações estudantis com o exército irromperam em Paris, e Blanqui ficou gravemente ferido nos combates. Esses acontecimentos deixaram uma impressão duradoura sobre ele: ele testemunhou não só o espírito heróico do povo, mas também a covardia dos liberais.

A Revolução de Julho de 1830, que finalmente derrubou os Bourbons, reforçou esta lição. Mais uma vez, Blanqui permaneceu na linha de frente dos Três Dias Gloriosos de luta de barricadas, esperando que as pessoas comuns veriam seu triunfo recompensado com uma república socialmente justa. Mais uma vez, ele ficou desapontado: a burguesia liberal, que nem sequer participou das batalhas, privou o povo da sua vitória.

Temendo uma repetição jacobina, passaram a coroa para Louis-Philippe. A revolução de julho só conseguiu trocar um monarca por outro, e as vidas dos trabalhadores continuaram tão miseráveis ​​como sempre.

Blanqui não permitiria que esta traição se mantivesse. Ele percebeu que não era suficiente mudar o homem que se senta no trono; Tudo o que sustentava o privilégio aristocrático precisava ser desmantelado. Ele pediu uma verdadeira república, que traria "a emancipação dos trabalhadores... O fim do reinado da exploração... Uma nova ordem que libertará o trabalho da tirania do capital."

Às barricadas

Blanqui continuou a mobilizar-se com a oposição republicana, e não demorou muito para correr contra a lei. Em julgamento, em 1832, Blanqui falou pela classe trabalhadora:

Eu sou acusado de ter dito a trinta milhões de franceses, proletários como eu, que eles tinham o direito de viver... Quanto ao nosso papel, ele está escrito com antecedência; O papel de acusador é o único apropriado para os oprimidos.

Depois de um ano de prisão, Blanqui voltou ao seu trabalho revolucionário, organizando duas sociedades secretas com centenas de membros da classe trabalhadora. A maioria dos republicanos achou Blanqui muito extremo, já que suas organizações estavam dispostas a recorrer às armas para tomar o poder político. Uma vez que tivessem o poder, acreditava Blanqui, os revolucionários estabeleceriam uma ditadura com dois objetivos: defender os pobres contra os ricos e educar as pessoas sobre as virtudes de uma nova sociedade. Logo depois, esta ditadura cederia lugar ao comunismo.

Em 12 de maio de 1839, após vários falsos começos, a Sociedade de Estações de Blanqui capturou vários edifícios em Paris, lançando a sua insurgência. Por um breve momento, uma nova república apareceu no horizonte. Mas o plano de Blanqui tinha uma falha fatal: as massas não desempenharam nenhum papel na tomada do poder. A revolta foi esmagada, e Blanqui passou a se esconder. Ele foi capturado um mês depois e condenado à prisão perpétua.

Da Segunda República ao Segundo Império

Blanqui reivindicou o socialismo em manifestações por toda Paris. Marx o reconheceu como o símbolo do comunismo na França, declarando: "O proletariado se reúne cada vez mais em torno do socialismo revolucionário, em torno do comunismo, pelo qual a própria burguesia inventou o nome de Blanqui".

Quando os membros da classe dominante assistiam aos seus discursos, eles viam apenas um radicalismo desenfreado que precisava ser mantido sob controle. Alexis de Tocqueville disse que a aparência de Blanqui "o encheu de desgosto e horror". Ele descreveu o líder revolucionário:

Suas bochechas estavam pálidas e desbotadas, os lábios brancos; ele parecia doente, malvado, sujo, com uma palidez suja e a aparência de um cadáver em decadência... Ele poderia ter vivido em um esgoto e saído dele.

À medida que a oposição conservadora à República aumentava, muitos dos seguidores de Blanqui clamavam pela ação. Em 15 de maio, apesar de suas objeções, uma manifestação na Câmara dos Deputados se transformou em um golpe de estado desorganizado. Projetado para estabelecer um novo governo radical, o golpe só conseguiu fazer com que seus organizadores fossem presos. A verdadeira tragédia aconteceu em junho, quando dezenas de milhares de operários parisienses se levantaram sem liderança nem organização. Os trabalhadores lutaram heroicamente, mas o exército os massacrou.

Depois dessa derrota, Blanqui escreveu um "Aviso ao Povo", aconselhando os trabalhadores a não confiarem naqueles que não querem lutar contra a classe dominante:

Que multidão ameaça a revolução de amanhã? A multidão que despedaçou ontem: a deplorável popularidade dos burgueses disfarçados de tribunas.

Como Blanqui esperava, os comerciantes e comerciantes de Paris não lutavam, mas capitulavam. Congratulou-se com Louis-Napoleão, que se coroou Imperador Napoleão III em 1851. A Segunda República deu lugar ao Segundo Império, e Blanqui foi enviado de volta à prisão por mais dez anos.

Outra anistia real veio em 1859, mas a liberdade de Blanqui era agridoce e de curta duração: sua mãe morrera no ano anterior, a polícia o observava de perto e o imperador fabricava novas acusações contra ele.

Um ano depois, ele se viu de volta ao tribunal. Quando Blanqui confrontou o promotor, proclamou que ainda estava em guerra:

Promotor: Isso prova que, apesar de vinte e cinco anos de prisão, você manteve as mesmas idéias? 
Blanqui: Muito. 
Promotor: Não só as mesmas idéias, mas o objetivo de ver seu triunfo? 
Blanqui: Vou desejá-loas até a morte.

Outra cela esperava Blanqui. Os estudantes do bairro latino fomentaram a oposição radical a Napoleão III e idolatravam Blanqui, o "preso". Eles ouviram atentamente as palestras do velho sobre revolução e ateísmo, mas ele não podia liderar uma revolução por trás das grades. Assim, em 1865, seus jovens seguidores organizaram um fuga e contrabandearam Blanqui através da fronteira para a Bélgica.

A Comuna

Blanqui sentiu que estava chegando o dia de acerto de contas: os trabalhadores pediam greves e a oposição encontrava sua voz. Napoleão também viu a escrita na parede e, num último esforço para salvar seu império, declarou guerra contra a Prússia no verão de 1870.

Chegara o momento de atacar. Em 14 de agosto de 1870, os blanquistas lançaram um golpe nos subúrbios de Paris, que desmoronou depois de breves escaramuças. Menos de um mês depois, a Prússia derrotou decisivamente a França na Batalha de Sedan. Em 4 de setembro, o Segundo Império chegou a um final vergonhoso, e uma terceira República foi proclamada.

Argumentando que somente a conscrição em massa e um regime revolucionário poderiam derrotar os prussianos, Blanqui reuniu o apoio à guerra em seu jornal La Patrie en Danger. Ele sabia que os líderes burgueses da república temiam mais a classe trabalhadora em casa do que os exércitos invasores.

Em 21 de outubro de 1870, Blanqui participou de outro golpe sem êxito, na esperança de fornecer a liderança que a república necessitava. Condenado à morte, ele se escondeu.

Entretanto, tal como tinha previsto, a França assinou um tratado de paz humilhante com a Prússia no início de 1871 e preparou-se para confrontar os trabalhadores armados em Paris. Em 18 de março, cidadãos parisienses estabeleceram a Comuna, e a guerra civil começou. Em uma cruel reviravolta do destino, Blanqui havia sido capturado no dia anterior e perdera a revolução pela qual tinha passado toda uma vida organizando.

Apesar dos grandes avanços sociais da Comuna, faltava liderança efetiva e força militar que pudesse derrotar a contra-revolução. Os seguidores de Blanqui tentaram libertá-lo novamente, esperando que ele pudesse guiar os revolucionários. Em um momento, eles ofereceram todos os setenta e quatro de seus reféns em troca dele. Adolphe Thiers, presidente da Terceira República, recusou-se inteligentemente. Marx observou que Thiers "sabia disso... Blanqui... Daria à Comuna uma cabeça."

Blanqui languideceu em confinamento solitário enquanto dezenas de milhares de comunards eram abatidos em maio.

As condições na prisão não tinham melhorado, e ele esperava a morte todos os dias. Blanqui começou a se perguntar se sua vida inteira tinha sido um desperdício. Em 1872, ele escreveu um extenso tratado sobre astronomia, Eternity by the Stars, tentando em parte responder a essa pergunta. Ali, ele argumentou que, apesar da vastidão do universo e do peso esmagador das condições objetivas, o espaço ainda poderia ser feito para a ação revolucionária.

Compromisso inabalável

Apesar dos tempos sombrios, os movimentos socialistas e trabalhistas franceses reviveram. Os radicais pediram a anistia para os milhares de comunards que definhavam na prisão e no exílio. Centraram esta campanha em Blanqui, o símbolo da revolução preso. Os apoiadores organizaram manifestações em massa em todo o país, e Blanqui até ganhou uma eleição como deputado em 1879.

A república invalidou os resultados, mas pôde ver em que direção soprava o vento. Finalmente libertaram Blanqui da prisão: desde que se mudaram para Paris quase cinqüenta anos antes, Blanqui passara trinta e sete anos preso. Era como se nenhum tempo tivesse passado; ele imediatamente retomou seu trabalho falando em comícios, editando Ni Niño Ni Maitre, e lutando pela causa revolucionária.

Depois de um discurso em Paris, em 27 de dezembro de 1880, Blanqui sofreu um acidente vascular cerebral e faleceu cinco dias depois. Estima-se que 200 mil pessoas seguiram seu caixão para o Cemitério de Père Lachaise.

Mesmo aqueles que discordavam de Blanqui não podiam negar seu compromisso com a transformação social.

Nenhum comentário:

Postar um comentário