5 de junho de 2017

O "desarmamento" nuclear de Gentiloni

Manlio Dinucci

Il Manifesto

Tradução / A cena da multidão em pânico na praça San Carlo, em Turim, na Itália, com dramáticas consequências, é emblemática da nossa situação. A psicose do atentado terrorista, difundida com arte pelo aparato político-midiático com base em um fenômeno real (do qual se esconde, porém, a verdadeira causa e finalidade), fez com que se desencadeasse de modo caótico o instinto primordial de sobrevivência. Esse está, ao contrário, adormecido pelo blecaute politico-midiático, quando deveria ser suscitado de maneira racional em face daquilo que põe em perigo a sobrevivência de toda a humanidade: a corrida aos armamentos nucleares. 

Em consequência, a esmagadora maioria dos italianos ignora que está para se realizar nas Nações Unidas, de 15 de junho a 7 de julho, a segunda fase das negociações para um tratado que proíba as armas nucleares. O esboço da Convenção sobre as armas nucleares, redigido depois da primeira fase de negociações em março, estabelece que cada Estado parte se compromete a não produzir nem possuir armas nucleares, nem a transferir ou receber direta ou indiretamente. A abertura das negociações foi decidida por uma resolução da Assembleia Geral votada favoravelmente em dezembro de 2016 por 113 países, com 35 votos contrários e 13 abstenções. Os Estados Unidos e outras duas potências nucleares da OTAN (a França e a Grã Bretanha), os demais países da Aliança e os seus principais parceiros – Israel (única potência nuclear no Oriente Médio), o Japão, a Austrália, a Ucrânia – votaram contra. Também manifestaram parecer contrário as demais potências nucleares: a Rússia e a China (abstenções), a Índia, o Paquistão e a Coreia do Norte. 

Entre os países que votaram contra, na esteira dos Estados Unidos, está a Itália. O governo Gentiloni declarou, em 2 de fevereiro, que “a convocação de uma Conferência das Nações Unidas para negociar um instrumento juridicamente vinculante sobre a proibição das armas nucleares, constitui um elemento fortemente divisor que oferece o risco de comprometer os nossos esforços a favor do desarmamento nuclear”. 

A Itália, sustenta o governo, está seguindo “um percurso gradual, realista e concreto na medida certa para conduzir a um processo de desarmamento nuclear irreversível, transparente e verificável”, baseado na “plena aplicação do Tratado de não-proliferação, pilastra do desarmamento”. 

Os fatos demonstram de que modo a Itália aplica o TNP, ratificado em 1975. Apesar de que este obriga os Estados militarmente não-nucleares a “não receber de quem quer que seja armas nucleares, nem exercer o controle sobre tais armas, direta ou indiretamente”, a Itália pôs à disposição dos Estados Unidos o seu território para a instalação de armas nucleares (ao menos 50 bombas B-61 na base de Aviano e 20 em Ghedi-Torre), para cujo uso são treinados pilotos italianos. A partir de 2020 será deslocada para a Itália a B61-12: uma nova arma de first strike nuclear, com capacidade de penetrar no terreno para destruir os bunkers dos centros de comando. 

Uma vez iniciado em 2020 a implantação na Europa do B61-12 (mas não está excluído que seja antes), a Itália, formalmente um país não nuclear, será transformada em primeira linha de um ainda mais perigoso confronto nuclear entre os EUA/OTAN e a Rússia. 

Que fazer? É necessário obrigar a Itália a contribuir para o lançamento do Tratado da ONU sobre a proibição das armas nucleares e o subscrever e, ao mesmo tempo, exigir que os Estados Unidos, com base no vigente Tratado de não-proliferação, removam qualquer arma nuclear do nosso território e renunciem a instalar a nova bomba B61-12. Para quase todo o "mundo político", o argumento é um tabu. Se falta a consciência política, não resta outra coisa senão recorrer ao instinto primordial de sobrevivência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário